Logotipo - Igreja do Convento de São Domingos
Igreja do Convento de São Domingos
Dominicanos

SD0 Novena a São Domingos - 7º dia

Dia 21 de Maio

 

 

SÉTIMO DIA

AMOR DE S. DOMINGOS A DEUS

O amor das almas vai sempre com o amor de Deus ou, antes, procede dele como um rio de uma nascente. Ao considerar o que o Salvador fizera e sofrera para resgatar os homens, S. Domingos sentia-se movido a imolar-se por eles.

O amor de Deus penetrou a sua alma e, com todas as suas forças, procurava seguir as pegadas de Jesus. Por isso, passava longas horas diante do tabernáculo a falar com o celeste Amigo. E, mesmo quando tratava com os homens, só queria falar "com Deus ou de Deus", afirmam quantos com ele viveram. Falava de Deus aos homens, tratava dos homens com Deus.

Em viagem, dizia muitas vezes aos seus companheiros: "Ide à frente e pensemos no nosso Salvador". Era esse grande amor a Jesus que o levava a querer imitá-lo nos opróbrios e nos sofrimentos. Quantas vezes lhe ouviam exprimir o desejo de ser esquartejado por amor de Jesus Cristo.

Para nos convencermos da sua semelhança com Jesus, ouçamos Santa Catarina de Sena. Na tarde do dia 4 de Agosto de 1371, teve esta Santa uma visão: apareceu-lhe o Todo-Poderoso sob forma humana. Da sua boca saía o Verbo Eterno feito homem, e do seu peito saía Domingos, todo brilhante. "Minha filha – dizia-lhe o Eterno Pai –, eu gerei estes dois filhos: um por natureza e o outro por doce adopção". Como ela se admirasse ao ver um santo comparado a Jesus Cristo, Deus Pai disse-lhe: "Quando o meu Filho, gerado por natureza, revestiu a forma humana obedeceu-me até à morte. Domingos, meu filho de adopção, seguiu a minha vontade em todas as coisas, desde o seu nascimento até ao último instante da sua vida. Nunca transgrediu um só dos meus mandamentos; nunca violou a virgindade da sua alma nem do seu corpo. Conservou sempre a graça do baptismo que o regenerara.

Meu filho por natureza, o Verbo Eterno, pregou publicamente ao mundo o que eu lhe encarregara. Como Ele mesmo disse a Pilatos, deu testemunho da verdade. Também meu filho adoptivo, Domingos, pregou ao mundo a verdade das minhas palavras; falou aos hereges e aos católicos. A sua pregação continua e continuará sempre através dos seus filhos.

Assim como o meu Filho por natureza dispersou os seus discípulos pelo mundo, meu filho por adopção dispersou os seus irmãos. Meu filho por natureza é o meu Verbo; meu filho por adopção é o arauto, o ministro do meu Verbo; por isso, lhe dei a ele e à sua Ordem a inteligência das minhas palavras e a fidelidade à minha vontade.

Meu Filho por natureza fez tudo para resgatar as almas; salvar os homens pela sua Ordem foi o principal objectivo de Domingos; Eu o comparo, pois, a meu Filho por natureza, com cuja vida Domingos conformou a sua. Tu vês que até no seu corpo se assemelhou ao corpo sagrado de Jesus Cristo".

A visão terminou. Tocavam para Vésperas, e Catarina perguntou ao seu confessor: "Não avistais Domingos na glória? Eu vejo-o como vos vejo a vós; está-me até mais presente do que vós. Como Jesus Cristo, ele tem o rosto oval, a fisionomia séria mas doce, a barba e os cabelos ruivos".

Peçamos a S. Domingos que nos comunique uma centelha do fogo divino que abrasava o seu coração, e que, pouco a pouco, nos vá transformando e tornando mais semelhantes a Jesus.

Deve ser este o nosso ideal, visto ser o fim para que fomos criados.

 

R. João de Freitas Branco, 12, Lisboa, 1500-359 Lisboa
Tel: +351 217 228 370 | | E-mail: