Logotipo - Igreja do Convento de São Domingos
Igreja do Convento de São Domingos
Dominicanos

SD0 Novena a São Domingos - 5º dia

Dia 19 de Maio

 

 

QUINTO DIA

S. DOMINGOS E O AMOR À VERDADE

São Domingos foi um grande amante da verdade. Durante muitos anos estudou assiduamente as ciências eclesiásticas. Para alcançar a sabedoria, recorria à oração e à penitência. Com esse fim privou-se, durante dez anos, do uso do vinho. Só pôs de parte esta mortificação por motivo de saúde e a pedido do bispo de Osma, quando era prior daquela Igreja.

Não é para admirar que nas controvérsias com os hereges ele saísse sempre vitorioso. Um dia, os mestres católicos e os hereges combinaram entre si apresentar, por escrito, as suas doutrinas e submeter o escrito de cada um à prova de fogo, para que Deus mostrasse qual era a verdadeira doutrina.

O escrito de S. Domingos foi o preferido pelos católicos, por ser o que melhor expressava a doutrina da Igreja. Mal lançado ao fogo, o escrito dos hereges foi logo devorado pelas chamas, ao passo que o de S. Domingos não só não ardeu mas foi, de imediato, repelido da fogueira pelas próprias chamas, por três vezes.

A pregação de S. Domingos era eminentemente doutrinal. Tendo explicado em Roma, na corte pontifícia, as epístolas de S. Paulo, o sucesso foi tal que o Papa quis, mediante uma instituição, fazer perdurar os efeitos e utilidade duma tal pregação. Com essa finalidade, foi instituído o cargo de Mestre do Sagrado Palácio, cargo que continua ainda hoje a ser desempenhado por um filho de S. Domingos.

São Domingos trazia sempre consigo o evangelho de S. Mateus e as epístolas de S. Paulo. Lia-as e estudava-as tanto que as sabia de cor.

A liturgia chama-lhe "doutor da Verdade e luz da Igreja, porque a ilumina com a sua doutrina e a ilustra com os seus exemplos". De facto, realizou um sonho de sua mãe que, tendo-o ainda no seio, o viu sob a forma dum cãozinho com uma tocha acesa na boca, como que pretendendo abrasar o mundo inteiro.

E a sua madrinha, em sonhos, viu na fronte de Domingos uma estrela que alumiava toda a terra.

Ao ver as necessidades da Igreja, a ignorância dos fiéis e do clero e, por outra parte, os hereges enganarem muitas almas com uma falsa ciência, Domingos concebeu um plano grandioso: criar na Igreja uma legião de sábios e santos pregadores que fossem por todo o mundo levar o facho da verdade.

Levou os seus primeiros discípulos a Mestre Alexandre de Stavensby, em Tolouse, que na madrugada desse dia vira, em sonhos, seis estrelas que foram crescendo, crescendo até iluminarem o universo. Ao chegarem Domingos e seus filhos, Mestre Alexandre compreendeu que se tratava deles.

São Domingos fundou os primeiros conventos próximo das universidades, e queria que os seus filhos se entregassem, com todas as suas forças, ao estudo.

"Oralmente e por cartas exortava os irmãos a estudarem assiduamente o Antigo e o Novo Testamento. Eu o sei porque o ouvi e porque li as suas cartas", afirma uma testemunha.

"Véritas" – A Verdade – ficou sendo o lema da Ordem. Do seu seio, Deus faria brotar o maior defensor da Verdade, o Doutor Angélico, S. Tomás de Aquino.

Sejamos dignos de tão ilustre família, procurando instruir-nos o mais possível, para sermos úteis à Igreja.

 

R. João de Freitas Branco, 12, Lisboa, 1500-359 Lisboa
Tel: +351 217 228 370 | | E-mail: